Português Italian English Spanish

Alerta da Anvisa para uso da ivermectina, medicamento usado em Campo Grande

Alerta da Anvisa para uso da ivermectina, medicamento usado em Campo Grande


10/97/2020

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez um alerta, diante das notícias recentes sobre o uso da ivermectina como forma de tratamento de corvid-19. Segundo o órgão, vinculado ao Ministério da Saúde, o uso de medicamento não é recomendado para Covid-19 e afirmou que "não existem estudos conclusivos que comprovem o uso desse medicamento para tratamento de Covid-19", diz uma nota. 

A Anvisa também reformulou o uso de medicamentos sem orientação médica e sem provas de que realmente estão indicados para a doença traz uma série de riscos à saúde. A ivermectina é um medicamento recomendado contra parasitas e, em estudos recentes, ou remédio até resultados positivos contra uma ampla gama de vírus, mas uma conclusão foi feita com base apenas em estudos in vitro, ou seja, sem a seguinte etapa em testes humanos. 

"Os resultados encontrados in vitro não podem ser tomados como verdadeiros in vivo", anunciaram o órgão, acrescentaram que há apenas um estudo em andamento no Brasil para comprovação da eficácia do medicamento contra o coronavírus. 

A iniciativa, porém, tem previsão de conclusão para julho de 2021 e não teve anuência da Anvisa. O órgão vinculado ao Ministério da Saúde ainda demonstra preocupação. 

MEDICAMENTO USADO PARA GADO

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, demonstrou preocupação com o uso de diferentes tipos de remédios para o tratamento e a prevenção de coronavírus, mas sem a comprovação científica 

“Deve ter muito cuidado. Tem muitos que defendem uma cloroquina, há muitos que defendem uma ivermectina, que é um remédio aqui no nosso Estado muito conhecido porque entrou no uso veterinário, depois foi para uso humano, depois foi muito usado para gado. Tem que defende o Anitta, outros que defendem a heparina, outros que defendem o corticóide ”, disse Mandetta ao participar da audiência pública na Câmara da Capital. 

Direto da Redação